32°

Pancada de chuva

Oeiras - PI

Brasil Interesse

CGU, OAB e Partido Verde se inscrevem para fiscalizar urnas do TSE

O código-fonte da urna eletrônica foi aberto para instituições que podem fazer a fiscalização, mas poucas se cadastraram até o momento.

22/11/2021 às 18h34
Por: Yasmin Osório Fonte: Metrópoles
Compartilhe:
(Foto reprodução)
(Foto reprodução)

Duas universidades, o Conselho Nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), a Controladoria-Geral da União (CGU), a Procuradoria-Geral Eleitoral e o Partido Verde (PV) manifestaram interesse em inspecionar o código-fonte das urnas eletrônicas, aberto pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em 04 de outubro para inespecíficas.

Diante dos questionamentos sobre a lisura e transparência do voto eletrônico, o TSE antecipou em seis meses a abertura dos dados para órgãos fiscalizadores. Antes, o processo só era aberto seis meses antes das eleições. Para o pleito de 2022, a disponibilização ocorre um ano antes.

“Estamos em um amplo trabalho contra a desinformação. O código-fonte é a linguagem que a urna entende. Primeiro o abrimos para entidades fiscalizadoras. Depois, para o Teste Público de Segurança (TPS)”, afirmou o presidente do TSE, ministro Luís Roberto Barroso.

Mesmo com a antecedência e a possibilidade de fiscalização aberta há quase três meses, tanto para que partidos políticos quanto autoridades brasileiras e internacionais possam fiscalizar o processo, poucos se cadastraram. Não há, por exemplo, partido aliado do governo de Jair Bolsonaro (sem partido) ou membro do Ministério Público que tenha feito a inscrição até o momento.

Desde 04 de outubro, os partidos, a Polícia Federal, o Ministério Público, o Congresso Nacional, o Supremo Tribunal Federal (STF) e outras entidades podem ter acesso às informações. Em 2018, nas eleições gerais, somente a Polícia Federal participou de fato da conferência de informações.

Segurança do voto

A credibilidade da urna eletrônica vem sofrendo diversos ataques desde as eleições de 2018. O TSE tem promovido massivas campanhas de esclarecimento sobre a segurança do voto, a fim de contrapor-se ao movimento “voto impresso e auditável” e às fake news a respeito do sistema.

Em 31 de julho, o presidente Bolsonaro distorceu fatos para atacar a urna eletrônica em uma live no Palácio da Alvorada, porém, sem apresentar provas. Essa é uma das razões pelas quais o mandatário do país é alvo do Inquérito das Fake News, no STF.

Testes com hackers

Paralelamente à abertura do código-fonte, o TSE abriu nesta segunda-feira (22) a sexta edição do Teste Público de Segurança (TPS). Até sexta-feira (26), especialistas escolhidos da sociedade civil realizarão tentativas de invasão às urnas eletrônicas para avaliar a segurança delas e aperfeiçoar o sistema eleitoral.

“Estamos em busca de falhas e aperfeiçoamento. O TPS é o momento em que a sociedade colabora com a segurança das urnas para indicar formas de correção. Ele ocorre desde 2009 e traz grande contribuição”, afirmou o presidente da Corte Eleitoral, ministro Luís Roberto Barroso, na cerimônia de abertura.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Oeiras - PI Atualizado às 11h48 - Fonte: ClimaTempo
32°
Pancada de chuva

Mín. 24° Máx. 36°

Qui 36°C 24°C
Sex 32°C 24°C
Sáb 32°C 24°C
Dom 33°C 24°C
Seg 38°C 26°C
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes
Enquete
Ele1 - Criar site de notícias