Segunda, 02 de Agosto de 2021 12:05
89 988029890
Política Política

STF forma maioria a favor de manter suspensão da convocação de governadores pela CPI da Covid

CPI aprovou convocações em maio, e governadores acionaram Supremo. Rosa Weber entendeu que comissão 'excedeu os limites constitucionais'.

24/06/2021 17h35
Por: Pablo Carvalho Fonte: G1
STF forma maioria a favor de manter suspensão da convocação de governadores pela CPI da Covid

O Supremo Tribunal Federal (STF) formou maioria de votos nesta quinta-feira (24) a favor de manter a decisão que suspendeu a convocação de governadores pela CPI da Covid.

O julgamento acontece em plenário virtual, no qual os ministros inserem os votos em sistema eletrônico, e começou na madrugada desta quinta. O prazo para apresentação dos votos acaba às 23h59 desta sexta (25).

Em 26 de maio, a CPI aprovou a convocação de nove governadores. Dois dias depois, em 28 de maio, um grupo de cerca de 20 governadores acionou o Supremo contra as convocações.

Na última segunda (21), a ministra Rosa Weber suspendeu a convocação de governadores pela CPI, decidindo que eles podem ser convidados a comparecer de forma voluntária. Agora, o plenário julga se mantém ou derruba a decisão.

Nos votos já apresentados, além de tratar da questão dos governadores, alguns ministros também sinalizaram que a comissão não tem poderes para convocar o presidente Jair Bolsonaro.

A ação pediu que o Supremo que fixe entendimento de que não se pode convocar chefes do Poder Executivo para depor em CPIs ou que se estabeleça a tese de que é proibido convocar de governadores para depor em comissões instauradas pelo Congresso Nacional.

Os governadores argumentaram ainda que permitir a convocação significaria autorizar nova hipótese de intervenção federal, não prevista expressamente na Constituição, e ferir o princípio da separação de poderes.

Votos dos ministros

A maioria da Corte confirmou o entendimento de Rosa Weber. A ministra afirmou que os governadores podem comparecer à CPI se forem convidados, mas não podem ser convocados porque isso representa uma interferência.

“A convocação de Governadores de Estado pelo órgão de investigação parlamentar do Senado Federal (CPI da Pandemia), excedeu os limites constitucionais inerentes à atividade investigatória do Poder Legislativo”, escreveu a ministra.

A ministra frisou que, não havendo norma constitucional que autorize a convocação dos chefes de governos locais, o Congresso não pode impor a eles o dever de prestar esclarecimentos por convocação compulsória. Rosa Weber ponderou que a comissão tinha a seu dispor medidas "menos interventivas", mas acabou optando pela convocação, o que expôs governadores a "ao constrangimento pessoal da condução coercitiva".

O voto da relatora foi acompanhado pelos ministros Edson Fachin, Alexandre de Moraes, Gilmar Mendes, Marco Aurélio Mello e Cármen Lúcia.

Presidente da República

Ao longo do julgamento, os ministros também expressaram seus posicionamentos sobre a competência de uma CPI convocar o presidente da República para depor. A possibilidade chegou a ser levantada pelo relator da CPI da Covid, senador Renan Calheiros (MDB-AL), em relação ao presidente Jair Bolsonaro.

Neste ponto, a relatora Rosa Weber afirmou que as CPIs não têm o poder de convocar qualquer pessoa a depor, sob qualquer circunstância. Neste contexto, ressaltou que uma das limitações é em relação ao presidente da República. A ministra entende que o presidente da República não é obrigado a testemunhar diante de comissões do Congresso.

“Diversamente dos ministros e secretários de Estado, que incidem em crime de responsabilidade se descumprirem convocação do Congresso Nacional ou da Assembleia Legislativa local, o presidente da República e o governador de Estado não respondem por infração político-administrativa se deixarem de atender a pedidos de esclarecimentos emanados dos órgãos do Poder Legislativo, exatamente porque eventual convocação realizada nesses termos pelo Parlamento, desprovida de qualquer fundamento legal, implicaria violação da autonomia institucional da Chefia do Poder Executivo", escreveu a relatora.

O ministro Gilmar Mendes também entende que a Constituição limita o poder de convocação das comissões aos ministros de Estado - na prática, impedindo a convocação do presidente.

"A regra procura tornar operacional o exercício do Poder Executivo, que ficaria deveras afetado com seguidas convocações do Presidente da República para prestar esclarecimentos nas várias Comissões existentes na Câmara dos Deputados e Senado Federal", ponderou o ministro.

O ministro Alexandre de Moraes afirmou que o entendimento do STF é “firme no sentido da impossibilidade de convocação, por órgão do Poder Legislativo, dos chefes dos demais Poderes, fora das hipóteses constitucionais expressas, atenta contra o princípio da separação dos Poderes”.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias