Segunda, 14 de Junho de 2021 02:50
89 988029890
Brasil CPI DA COVID

Dimas contradiz Pazuello e culpa Bolsonaro por atrasar compra da CoronaVac

"Muitas vezes declarei de público que o Brasil poderia ser o primeiro país do mundo a começar a vacinação", disse.

27/05/2021 17h27
Por: Pablo Carvalho Fonte: UOL
Dimas contradiz Pazuello e culpa Bolsonaro por atrasar compra da CoronaVac

Em depoimento de quase sete horas hoje à CPI da Covid, o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, contradisse o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello e culpou o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) pelo atraso nas negociações da compra da vacina CoronaVac pelo governo federal.

O relator da Comissão Parlamentar de Inquérito, senador Renan Calheiros (MDB-AL), considera que o depoimento de Dimas contradisse ainda as falas do ex-ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e do ex-secretário de Comunicação da Presidência, Fabio Wajngarten. Ambos também já depuseram à CPI.

Segundo Dimas Covas, o acordo com o Ministério da Saúde quanto à CoronaVac não prosseguiu no ano passado em razão da manifestação pública do presidente Bolsonaro de que o imunizante não seria comprado.

O dirigente do Butantan afirmou que as tratativas foram iniciadas com Pazuello, então ministro da Saúde. No entanto, as conversas foram prejudicadas após declaração de Bolsonaro contra o imunizante. Foi o episódio em que, após ser desautorizado publicamente pelo presidente, Pazuello disse: "Um manda, o outro obedece", em 22 de outubro de 2020.

"Infelizmente, essas conversações não prosseguiram, porque houve, sim, aí, uma manifestação do presidente da República, naquele momento, dizendo que a vacina não seria, de fato, incorporada, não haveria o progresso desse processo"

Coronavac disponível em 16 locais no Distrito Federal – Agência Brasília

Pazuello nega ter sofrido pressão de Bolsonaro para que não comprasse a CoronaVac. No entanto, declarações gravadas e públicas do presidente da República mostram o mandatário contra a compra da vacina e sua incorporação ao PNI (Programa Nacional de Imunizações).

O Butantan fez uma oferta de 100 milhões de doses da CoronaVac ao governo Bolsonaro em outubro de 2020, informou Dimas. Mas, até então, não havia "resposta positiva" do Ministério da Saúde em relação às negociações para aquisição do imunizante desenvolvido em parceria com o laboratório chinês Sinovac, disse.

Nesse mesmo período, Bolsonaro contestava publicamente a eficácia da CoronaVac e, em um contexto de disputa política com o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou que não compraria o imunizante.

Durante a audiência de hoje na CPI, Renan Calheiros exibiu um vídeo de uma live do presidente na qual Bolsonaro dá um recado ao tucano: "Arruma outro para pagar a sua vacina".

Senadores de oposição ao governo têm persistido na versão de que houve erro do ministério —e até mesmo crime— durante esse processo. Aliados do presidente alegam que, à época, o imunizante ainda não era aprovado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

De acordo com o depoimento de Covas, enquanto o chefe do Executivo federal manifestava publicamente sua resistência à CoronaVac, o Ministério da Saúde acabou por protelar as negociações com o Instituto Butantan, que pertence à estrutura do governo de SP, e recusou uma sugestão de apoio financeiro —os recursos seriam utilizados para reformar uma fábrica destinada a produção própria do imunizante.

"Em 7 de outubro, eu enviei novamente um ofício ao ministério, historiando e ofertando 100 milhões de doses, sendo que, desses 100 milhões, 45 seriam produzidas no Butantan até dezembro de 2020, 15 milhões de doses no final de fevereiro e 40 milhões adicionais até maio deste ano", afirmou Dimas.

A oferta de 100 milhões foi a segunda enviada ao governo federal pelo Instituto Butantan. Em julho de 2020, a entidade já havia se colocado à disposição para produzir 60 milhões de doses, com previsão de entrega no último trimestre do ano passado.

Diante da ausência de um posicionamento por parte do ministério, Dimas relatou que o instituto "reforçou o ofício" em 18 de agosto, com um pedido de verba para financiamento dos estudos clínicos.

Ante ao contexto de disputa política, o dirigente do Butantan disse considerar que o Brasil perdeu uma oportunidade ter sido um precursor da vacinação contra a covid-19 em escala global.

Dimas também mencionou uma suposta demora da Anvisa para aprovar o uso emergencial da vacina. A liberação ocorreu em janeiro deste ano.

"Muitas vezes declarei de público que o Brasil poderia ser o primeiro país do mundo a começar a vacinação, não fosse os percalços que nós tivemos que enfrentar nesse período, tanto do ponto de vista do contrato quanto do uso regulatório. Quer dizer a Anvisa aprovou o uso em dezembro... Poderíamos ter começado antes se tivesse tido uma agilidade de todos esses atores."

INSTITUTO BUTANTAN - Portal do Turismo Industrial no Brasil

Acordo anunciado e, depois, 'inflexão'

Dimas relatou que as conversas para a compra da CoronaVac pela União começaram a evoluir a partir de outubro, com uma "sinalização" por parte do Executivo federal de "existir uma medida provisória para atender esses pleitos".

Em 20 de outubro de 2020, Pazuello anunciou acordo com o estado de São Paulo para a compra de 46 milhões de doses da Coronavac, com a incorporação da vacina ao Programa Nacional de Imunizações.

"Tudo, aparentemente, estava indo muito bem, tanto é que, no dia 20 de outubro, eu fui convidado pelo então ministro da Saúde, general Pazuello, para uma cerimônia no Ministério da Saúde onde a vacina seria anunciada como sendo uma vacina do Brasil", rememorou Dimas.

"Até, na sua fala, [Pazuello] disse: 'Esta será a vacina do Brasil: a vacina do Butantan, a vacina do Brasil'. E [o ex-ministro] anunciou, naquele momento, publicamente, com a presença de governadores, de parlamentares, que iria ser feita uma incorporação de 46 milhões de doses."

Um dia depois do anúncio de Pazuello, no entanto, Bolsonaro desautorizou o então ministro publicamente e disse que havia mandado cancelar qualquer protocolo assinado pelo ministério para a compra da CoronaVac.

Bolsonaro foi às redes sociais e escreveu que o Brasil não compraria "a vacina da China" ou a "vacina chinesa de João Doria". No mesmo dia, em visita a um centro militar em São Paulo, o presidente reforçou sua autoridade na condução da pandemia: "O presidente sou eu, não abro mão da minha autoridade".

Ao receber Bolsonaro no dia seguinte, Pazuello disse: "Um manda, o outro obedece".

Coronavac: como os municípios da Grande Vitória estão convocando os moradores | A Gazeta

"A partir desse ponto, é notório que houve uma inflexão, e eu digo isso porque, no final da reunião, no dia 20, com a presença de vários governadores, vários parlamentares, nós saímos de lá muito satisfeitos com a evolução dessas tratativas e achávamos que, de fato, iríamos ter resolvido parte desse problema", disse Dimas Covas.

O primeiro lote da CoronaVac acabou sendo comprado pelo governo federal apenas em janeiro, numa disputa com o governo paulista para ver quem começaria efetivamente a vacinação no Brasil. A primeira dose da CoronaVac fora dos testes clínicos foi aplicada em São Paulo em evento com a presença de Doria, para dissabor de Bolsonaro.

Pazuello depôs por dois dias à CPI e foi reconvocado ontem. O novo depoimento ainda não tem data marcada, mas deve ficar para depois de 17 de junho.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias