Terça, 20 de Abril de 2021 04:58
89 988029890
Cidades Piauí

Médico vacinado com 1ª dose da vacina morre de complicações da Covid-19

Segundo a Prefeitura de Campo Maior, ele não chegou a receber a segunda dose do imunizante.

28/03/2021 17h13
Por: Pablo Carvalho Fonte: O Dia
Médico vacinado com 1ª dose da vacina morre de complicações da Covid-19

Faleceu na noite deste sábado (27), o médico José Antônio Cantuária Rosa, de 62 anos, ex-diretor do Hospital Getúlio Vargas e que atualmente atuava na linha de frente de combate à covid-19no Serviço Móvel de Atendimento de Urgência (Samu).

O Dr. Cantuária, como era conhecido, havia sido vacinado com a primeira dose da vacina contra a doença no município de Campo Maior, mas acabou contraindo o vírus e vindo a óbito. Segundo a Prefeitura de Campo Maior, ele não chegou a receber a segunda dose do imunizante.

No final de fevereiro, amigos e familiares chegaram a comemorar a recuperação do médico. Em uma foto, o Dr. Cantuária aparece cercado de profissionais da saúde comemorando ter vencido a covid.

O médico recebeu alta da UTI após ficar intubado para tratamento da doença, mas após alguns dias voltou a ficar em coma com quadro de insuficiência respiratória.

Na noite de ontem, o Dr. Cantuária não resistiu às complicações e faleceu em um hospital particular de Teresina. A morte do médico foi confirmada por colegas do Hospital Regional de Campo Maior.

A morte do profissional de saúde alerta para o fato de que todos os principais imunizantes contra o novo coronavírus, com exceção da vacina da Janssen, precisam ser aplicados em duas doses para garantir a imunização.

Por isso, é importante que a população já vacinada com a primeira dose fique atenta ao calendário de vacinação para receber a segunda aplicação e continue com as medidas de distanciamento social, uso de máscaras e de álcool em gel para evitar a contaminação pelo vírus.

No caso da Coronavac, vacina produzida pelo Instituto Butatan em parceria com a empresa Sinovac, o período máximo para aplicação da segunda dose é de 28 dias. Enquanto a vacina de Oxford/AstraZeneca, o intervalo máximo para a dose de reforço é de até 90 dias.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias