Sexta, 03 de Julho de 2020 12:58
89 988029890
Geral Greve na Saúde

Profissionais da Saúde iniciam greve nesta quinta-feira no Piauí

A decisão do início da greve foi tomada ainda na última sexta-feira (19), durante assembleia com membros do Sindespi e Senatepi.

24/06/2020 15h25
Por: Pablo Carvalho Fonte: GP1
Profissionais da Saúde iniciam greve nesta quinta-feira no Piauí

Os profissionais da saúde do estado do Piauí, com exceção dos médicos, vão iniciar uma greve nesta quinta-feira (25) com um protesto no Hospital Getúlio Vargas (HGV), a partir de 7h30, e passeata até o Palácio de Karnak. As informações são do GP1.

A decisão do início da greve foi tomada ainda na última sexta-feira (19), durante assembleia com membros do Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Saúde Pública do Piauí (Sindespi), juntamente com o Sindicato dos Enfermeiros, Auxiliares e Técnicos em Enfermagem do Estado do Piauí (Senatepi).

Entre as principais reivindicações estão o não pagamento do adicional de insalubridade de 40%; a baixa qualidade dos Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) fornecidos pela Sesapi durante a pandemia do novo coronavírus.

“Nosso adicional de insalubridade está congelado desde 2007. O Governo alega que não tem uma regulamentação e nós exigimos que se providencie, que regulamente a insalubridade dos servidores do Estado. O assédio moral aos servidores é generalizado e contribui para o adoecimento da categoria. Nós reconhecemos a dificuldade do momento com essa pandemia, mas o governo massacra o servidor há muito tempo e não dá mais para aguentar”, desabafa a presidente do Sindespi, Geane Sousa.

Outra pauta comum aos profissionais trata do descumprimento da lei 6.201 que dispõe sobre o Plano de Cargos, Carreira e Vencimentos dos Profissionais de Saúde Pública da Administração. De acordo com Erick Ricelley, presidente do Senatepi, mesmo com decisão da Justiça, obrigando o Governo do Estado a cumprir a lei, até o momento não o fez.

"Nós decidimos fazer uma greve, iniciando na quinta-feira (25). Eles não estão cumprindo a decisão judicial, pois o desembargador Erivan Lopes obrigou o Estado a fazer o enquadramento dos profissionais, coisa que o Estado não vem cumprindo. A nossa insalubridade não chega a 10%, enquanto o Município já paga 40% e o Governo Federal também", ressaltou Erik Ricelley.

O que diz a Sesapi

Em nota, a Secretaria Estadual de Saúde lamentou a decisão dos profissionais de deflagrar greve.

O Governo do Estado lamenta a decisão do Sindicato dos Enfermeiros de deflagar uma greve em meio ao maior desafio de saúde pública dos últimos 100 anos. Tal decisão pode trazer prejuízos vitais para a sociedade. Ressaltamos que todos os profissionais estão com salários em dia, que o adicional de insalubridade é pago normalmente, conforme determina a legislação estadual, e que não há falta de EPIs em nenhuma unidade de saúde, não havendo, assim, motivos para paralisação.

Ressaltamos ainda que, caso o movimento se concretize, o Governo irá tomar as medidas cabíveis por meio judicial e administrativo para garantir o atendimento pleno da população.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias