Sábado, 30 de Maio de 2020 05:34
89 988029890
Política Política

Vídeo mostra interferência de Bolsonaro: 'pra não fud...com minha família troco até o Ministro'

Ministro do STF autorizou exibição de vídeo de reunião ministerial em inquérito que apura se presidente Jair Bolsonaro tentou interferir na Polícia Federal em benefício próprio.

12/05/2020 17h10 Atualizada há 1 semana
Por: Pablo Carvalho Fonte: G1
Vídeo mostra interferência de Bolsonaro: 'pra não fud...com minha família troco até o Ministro'

Quatro fontes que assistiram nesta terça-feira (12) ao vídeo da reunião ministerial do dia 22 de abril, exibido a advogados e investigadores em Brasília, confirmaram à TV Globo os motivos externados pelo presidente Jair Bolsonaro para exigir a troca do superintendente da Polícia Federal no Rio de Janeiro.

Segundo esses relatos, no vídeo – exibido de forma reservada no Instituto Nacional de Criminalística por determinação do ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal, responsável pelo inquérito que apura suposta interferência de Bolsonaro na PF – o presidente menciona preocupação com a família ao falar da necessidade de trocar o superintendente da PF no Rio.

De acordo com as fontes, Bolsonaro menciona na reunião que não quer os "familiares” prejudicados. O presidente usou palavrões ao tratar do tema, segundo essas fontes. E disse que se não conseguisse trocar o superintendente do Rio, então trocaria o diretor-geral da PF – à época Maurício Valeixo – ou, por último, o ministro da Justiça – à época, Sérgio Moro.

Um dos presentes à exibição do vídeo relatou que Bolsonaro disse: "Já tentei trocar o chefe da segurança do Rio de Janeiro. Se não posso trocar, troco o chefe dele, troco o ministro”.

“Não vou esperar f... alguém da minha família. Troco todo mundo da segurança. Troco o chefe, troco o ministro”, de acordo com o relato obtido pela TV Globo.

Investigadores afirmaram que as declarações do presidente nessa reunião mostram um interesse familiar, pessoal, por trás da intenção da troca. Tudo o que o presidente ameaçou fazer na reunião de fato aconteceu:

  • Bolsonaro exonerou o diretor-geral da PF, Maurício Valeixo;
  • Moro pediu demissão após o episódio e acusou o presidente de tentar interferir politicamente na PF;
  • O presidente nomeou o amigo Alexandre Ramagem para diretor-geral da PF;
  • Impedido pelo STF de nomear Ramagem, Bolsonaro empossou o delegado Rolando Alexandre de Souza, subordinado a Ramagem na Agência Brasileira de Inteligência (Abin), para comandar a PF. O primeiro ato de Rolando foi mudar o superintendente da PF no Rio.
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias