Auto Escape J Wilson
Malu Pneus
Lustosa Tur
Chaves Bebidas
Lojão do ciclista
Mercadinho Frigoleme
Indiciado

Acusado de amarrar esposa nua em árvore é indiciado no PI

Segundo as informações, o ele não aceitava o fim da relação, que durou por 20 anos. A professora ficou presa em casa entre os dias 13 e 15 de dezembro.

08/01/2020 18h18
Por: Pablo Carvalho
Fonte: Meio Norte
(Foto: Reprodução)
(Foto: Reprodução)

O contabilista identificado como Marco Emílio, de 38 anos, que foi preso em flagrante em dezembro do ano passado, por manter sua esposa, a professora Elizane Sousa Monteiro de Araújo, de 38 anos, em cárcere privado sob tortura, foi indiciado pela Polícia Civil do Piauí pelos crimes de tortura mediante sequestro, ameaça a estupro. O inquérito foi concluído nesta terça-feira (07). O caso aconteceu na cidade de Altos, a 40 km de Teresina. 

Segundo as informações,  ele não aceitava o fim do relacionamento, que durou 20 anos. A professora ficou trancada em casa entre os dias 13 e 15 de dezembro. Além disso, ela foi torturada e amarrada nua em uma árvore. 

De acordo com o relato da vítima, ela foi obrigada pelo marido, armado, a ir a um matagal, onde foi amarrada e estuprada. Marco gravou parte do abuso sexual pelo seu celular. Ainda segundo a professora, o objetivo do vídeo era constranger a mulher, já que ele ameaçava espalhar as imagens nas redes sociais. Nas imagens, Marco pede para que a vítima se desculpe por uma suposta traição. Ele ainda teria jogado gasolina nela, para atear fogo nela. De acordo com o delegado Tomaz Aquino, as provas obtidas são suficientes. “Eu o indiciei pelos crimes de tortura qualificada pelo sequestro, estupro e ameaça. Reuni todas as provas e encaminhei para a justiça”, disse.

O flagrante

De acordo com as informações, a situação em que a professora era mantida só foi descoberta após uma visita de seu pai. Na ocasião, a mulher revelou ao pai que estava sendo mantida presa dentro de casa. Após isso, o acusado foi denunciado e preso em flagrante, no entanto, solto após audiência de custódia. Diante das provas do crime, o caso foi levado ao Ministério Público, que é quem vai optar ou não pela denúncia contra ele, segundo o Delegado Tomaz Aquino. 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias