Data Picos
Chaves Bebidas
Malu Pneus
Auto Escape J Wilson
Lustosa Tur
Mercadinho Frigoleme
Lojão do ciclista
Rondnelly Camarço
Drogaria Horizonte
Dom Casmurro

Justiça proíbe Crescer e Instituto Machado de Assis de realizar concursos

De acordo com as investigações essas empresas fraudavam a licitações

07/11/2019 22h18Atualizado há 2 semanas
Por: Pablo Carvalho
Fonte: GP1
(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

A Justiça determinou que as empresas Crescer e Instituto Machado de Assis, alvos da Operação Dom Casmurro, deflagrada nesta quinta-feira (07), estão proibidas de realizar concurso público no País. A informação foi confirmada pelo delegado responsável pelo inquérito, Ferdinando Martins, da Delegacia de Combate à Corrupção (Deccor).

De acordo com o delegado, as empresas que tinham contratos no Piauí e outros estados do Norte e Nordeste, agiam com o intuito de fraudar as licitações, alternando a empresa vencedora para realizar certames nos municípios, a exemplo da cidade de Cocal, que teve um concurso cancelado a pedido do Ministério Público do Estado do Piauí.

“A gente vai ouvir todos os empresários e outras pessoas a partir de amanhã. O mais importante é que essas duas empresas estão proibidas de fazer qualquer concurso público no Brasil, pois elas agiam no Maranhão, Pernambuco, Bahia, Pará [...] a decisão judicial do juiz de Cocal é essa. As empresas e seus empresários já estão notificados disso”, pontuou.

Vínculo entre as empresas

O delegado ressaltou também que durante as buscas realizadas nas empresas e nos endereços de pessoas relacionadas ao Instituto Machado de Assis e Crescer foram encontrados vários documentos que apontam o envolvimento entre as empresas, com a finalidade de direcionar as licitações.

“A operação focou no direcionamento das licitações e no núcleo empresarial, que eram as pessoas que estavam operando e desenvolvendo as atividades, colaborando com o grupo. Nós cumprimos mandados de buscas nas casas dessas pessoas e encontramos várias vinculações entre as empresas, documentações, editais, comprovações de participações nas licitações com certo revezamento, destacando quem iria participar da licitação, quem seria o preposto e isso serviu para corroborar com muita coisa que a gente tinha nessa fase inicial. A fraude consistia em elas simularem disputas em algumas licitações, onde uma inabilitava a outra por motivos aparentemente simples, o que demonstra que elas já vão preparadas e ajustadas para quem vai ganhar aquele certame, a ideia era essa”, acrescentou o Ferdinando Martins.

Um levantamento foi produzido e verificou-se que juntas, as empresas conseguiram lucrar pelo menos R$ 4 milhões nos últimos quatro anos. As investigações serão intensificadas, pois há suspeitas que irregularidades nos demais municípios que as contrataram para organização dos certames.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias