Data Picos
Chaves Bebidas
Auto Escape J Wilson
Mercadinho Frigoleme
Drogaria Horizonte
Lustosa Tur
Rondnelly Camarço
Lojão do ciclista
Malu Pneus
Melhorias

Projeto Viva o Semiárido melhora vida de comunidades em Várzea Grande e Barra D' Alcântara

Capacitação e orientação às comunidades provam que é possível viver com dignidade mesmo com a seca

30/09/2019 13h39
Por: Pablo Carvalho
Fonte: Com informações da assessoria
(Foto: Assessoria)
(Foto: Assessoria)

O secretário de Agricultura Familiar, Hérbert Buenos Aires, acompanhado pelo superintendente do Desenvolvimento Rural, Francisco das Chagas Ribeiro e do coordenador de Comunicação do Governo do estado, Allisson Bacelar, vistaram neste sábado (27) famílias beneficiadas pelo Projeto Viva o Semiárido (PVSA), nos municípios de Várzea Grande e Barra do Alcântara.Também fizeram parte das visitas representantes de entidades, técnicos e lideranças locais.

Dona Raimunda de Souza Carvalho, da comunidade Porenquanto, em Barra do Alcantâra, é beneficiária pelo projeto juntamente com a família (marido e dois filhos), e contou à equipe do PVSA que sempre viveram do que plantavam na roça e que, além de terem aumentado a renda, aprenderam muito com a criação de aves, suínos e beneficiamento de arroz. “Iniciamos em 2017 com 112 frangos e hoje com um pouco de cada produção do que aprendemos nos cursos do PVSA, estamos conseguindo sustentar a família e ajudar a comunidade, onde vivem aproximadamente 70 famílias”, destacou Raimunda.

Programa Viva o Semiárido permite viver com dignidade no sertão

Hérbert Buenos Aires constatou que o maior tesouro do projeto viva o semiárido não são  matrizes, peixes, produção de hortaliças e outros, mas o conhecimento e o relacionamento. “Quando a gente conversa com as pessoas, como Seu Luiz Honório, por exemplo, da comunidade Porenquanto, onde o projeto está concluído, podemos comprovar que o PVSA é muito maior do que pensamos, vai além da melhoria econômica, ele abre portas", afirmou.

O produtor Luiz Honório de Souza vive na comunidade Porenquanto com a mulher e os dois filhos, e relata que na área de 1 hectare em seu terreno, inserida nos projetos de investimentos produtivos (PIP), onde planta e tem criações de pequenos animais, consegue renda mensal de aproximadamente R$ 2.500. "Melhorar a renda foi muito bom, pois como pedreiro ou outra atividade eu não conseguia nem chegar perto deste dinheiro, mas aprender e ter conhecimento sobre associativismo, trabalhar em grupo e manejos foi o melhor para todos da comunidade que participaram.Com o início na produção de caprino e outros conhecimentos me deu vontade de produzir outras coisas e hoje planto maracujá, crio galinhas, peixe e porco”, pontuou.

Programa Viva o Semiárido permite viver com dignidade no sertão

O produtor disse que o projeto vai ficar com ele a vida toda, por causa do que aprendeu nas oficinas e cursos que ele e sua comunidade participaram e não só pelo que colocaram em prática. O gestor também ressaltou o associativismo que gera desenvolvimento e o trabalho de acompanhamento técnico da equipe, muito importante para corrigir questões como manejo e melhorar a produção em qualquer área de investimento da comunidade.

Na mesma comunidade, o representante da Rede Parlamentar da Agricultura Familiar, o deputado estadual Francisco Limma,que acompanha o projeto desde o início de sua implantação, ressaltou o trabalho da equipe técnica, liderança e da comunicação por divulgar e valorizar as experiências das comunidades, que juntas mostram o grande resultado que o Projeto Viva o Semiárido proporciona. "Esta parceria de vários órgãos do Estado é muito importante para os resultados do PVSA, com a enorme abrangência que tem, e para a conscientização de que é possível a convivência com o semiárido, e que todos e todas podem viver bem, com dignidade”, afirmou o parlamentar. O PVSA tem atuação conjunta com ONGs, Emater e empresas de assitência, a SAF com apoio dos órgãos co-executores como Seduc, Sasc e Seplan.

Programa Viva o Semiárido permite viver com dignidade no sertão

O superintendente Francisco das Chagas Ribeiro considera a visita a Várzea Grande no projeto Vila do Trabalhador como um bom exemplo. O projeto incentivou a criação de pequenos animais com destaque para aves e suínos e já recebeu a segunda parcela para aplicação dos no recursos. “Esse projeto fica no limite com o município de Tanque e onde o grupo de agricultores, com o apoio do PVSA, estão montando um sistema de irrigação para produção de milho", disse.

Programa Viva o Semiárido permite viver com dignidade no sertão

A ideia é comercializar milho verde e feijão e implantar pastagens para galinhas e caprinos junto com a palma forrageira na variedade orelha de elefante. "Esta é uma região promissora, impactada por plantios de eucalipto e soja, na Chapada Grande e com o desenvolvimento das famílias esta comunidade mostra resistência e a importância da agricultura familiar”, concluiu Ribeiro.

As visitas culminaram com o lançamento informal do livro "Riquezas do Semiárido - Histórias de sucesso impulsionadas pelas ações do Fida no Nordeste Brasileiro", escrito a partir de depoimentos da publicação das experiências exitosas do PVSA no Piauí, de autoria da consultora do Projeto, Andreia Simone.

Programa Viva o Semiárido permite viver com dignidade no sertão

As visitas continuam neste domingo no município de Pimenteiras, onde serão visitados os projetos produtivos de Gracilândia,/Tabocas, Lagoa do Barbosa e Maquiné, em que foram beneficiadas 59 famílias. No Vale do Sambito foram implantados 33 PIPs, beneficiadas diretamente 786 famílias (400 mulheres e 126 jovens) e foram investidos R$ 5,863 milhões.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias